Saindo da Deprê

Tudo Sobre Depressão, Tipos de Depressão, Sintomas e Tratamento
16 Mitos Sobre Depressão

16 Mitos e Verdades Sobre Depressão

O que fazer para passar a depressão?

Mitos e Verdades Sobre Depressão – Depressão é uma condição que afeta negativamente como uma pessoa pensa, sente e age, com os sintomas persistindo por pelo menos 2 semanas consecutivas.

Em 2017, cerca de 7,1% de todos os adultos no Brasil sofreram pelo menos um episódio de depressão maior. Isso o torna uma das condições de saúde mental mais comuns no Brasil.

Apesar disso, muitos mitos e verdades sobre depressão continuam a cercar essa doença. Isso se deve principalmente a ciência ultrapassada e a concepções culturais, sociais e médicas dela.

Continue lendo para aprender sobre alguns dos mitos sobre depressão mais comuns em torno da doença, por que eles são enganosos e os fatos a saber.

1. Depressão não é uma condição real

Uma pessoa com depressão pode experimentar sintomas emocionais e físicos.

Algumas pessoas desacreditam a depressão alegando que não é uma condição médica real e que é algum tipo de escolha ou traço de personalidade. Isso não é verdade.

A depressão é uma condição bem estabelecida que causa sintomas emocionais e físicos. De fato, cerca de 63,8% dos adultos que experimentaram pelo menos um episódio de depressão maior em 2017 foram gravemente prejudicados pela condição.

Os médicos também vincularam a depressão a uma mistura de fatores biológicos, ambientais e psicológicos.

2. Medicamentos são sempre a melhor maneira de tratar a depressão

Os antidepressivos podem melhorar a maneira como o cérebro usa produtos químicos que controlam o humor e o estresse, e os médicos geralmente os prescrevem para ajudar a tratar a depressão.

No entanto, os antidepressivos não são uma cura para a depressão e não funcionam para todos ou em todas as situações. De fato, os médicos geralmente prescrevem antidepressivos juntamente com mudanças na psicoterapia e no estilo de vida para ajudar a tratar a depressão.

3. A depressão é sempre desencadeada por um evento traumático

Uma série de fatores pode aumentar o risco de desenvolver depressão, incluindo eventos traumáticos, como grandes mudanças na vida, luto e acidentes.

No entanto, eventos traumáticos são um fator de risco ou potencial desencadeador da depressão, não a causa raiz dela.

Além disso, nem todo mundo que experimenta um evento traumático desenvolverá depressão. A condição também pode se desenvolver quando tudo na vida de alguém parece estar indo bem.

4. Depressão é uma parte normal do crescimento

A adolescência pode ser um momento emocional, social e fisiologicamente difícil. Os sintomas da depressão podem ser semelhantes aos efeitos da adolescência. Isso inclui dormir demais, irritabilidade, pessimismo e ansiedade .

Os adolescentes também parecem experimentar altos índices de depressão. Estima-se que 13,3% dos adolescentes brasileiros entre 12 e 17 anos sofrem pelo menos um episódio depressivo maior.

No entanto, a depressão não é um rito de passagem ou um evento biológico pelo qual uma pessoa deve passar para atingir a idade adulta.

Os adolescentes que demonstram “sinais típicos da adolescência”, especialmente humor e problemas reduzidos de maneira consistente com as demandas da escola, devem procurar ajuda o mais rápido possível conversando com um adulto ou médico de confiança.

5. Todas as mulheres desenvolvem depressão após o parto

Muitas mulheres experimentam o “bebê triste” por uma semana ou duas após o parto, cujos efeitos geralmente incluem ansiedade leve, fadiga e um humor relativamente reduzido.

Cerca de 15% de todas as mulheres brasileiras experimentam um tipo de depressão chamada depressão pós-parto , ou transtorno depressivo maior com início periparto, após o parto. Essa condição pode causar episódios depressivos significativos.

Os pesquisadores acreditam que a depressão pós-parto se desenvolve por várias razões, incluindo mudanças repentinas nos níveis de estrogênio e progesterona , falta de sono e histórico de depressão.

Mulheres com depressão pós-parto podem sentir exaustão e extrema tristeza, na medida em que dificulta o cuidado de si e de seus bebês.

Eles podem precisar de tratamento para evitar complicações a longo prazo. Em casos extremos, sem tratamento adequado, a depressão pós-parto pode levar algumas mulheres a prejudicar a si mesmas ou a seus bebês.

6. Homens não desenvolvem depressão

Os estereótipos culturais e sociais mantiveram o mito de que os homens não desenvolvem ou não devem desenvolver depressão. Como resultado disso, muitas pessoas ignoraram a depressão masculina por um longo tempo.

Embora a depressão pareça afetar as mulheres com mais frequência do que os homens, os homens a experimentam, mesmo que alguns dos sintomas possam ser diferentes.

Os homens podem parecer zangados ou agressivos, em vez de tristes, e também podem se envolver em atividades de alto risco. Os homens também tendem a ser menos abertos a falar sobre seus sentimentos e, portanto, podem ser menos propensos a procurar ajuda.

Homens com sintomas de depressão devem conversar com um médico ou profissional de saúde mental o mais rápido possível para evitar complicações graves. Os homens também são mais propensos do que as mulheres a morrerem por suicídio associado à depressão.

7. Uma pessoa desenvolverá depressão se um membro da família tiver

Ter um histórico familiar de depressão é um fator de risco para a doença, mas não é uma garantia de que alguém a desenvolverá.

A genética certamente desempenha um papel no desenvolvimento da depressão, mas geralmente acompanha uma combinação de outros fatores ambientais, psicológicos e biológicos. Portanto, apenas porque os parentes de uma pessoa podem ter passado por depressão, não é um sinal claro de que eles próprios a desenvolverão.

As pessoas que desenvolvem depressão, no entanto, podem encontrar conforto e orientação extras ao conversar com familiares que entendem pessoalmente a doença.

8. Tomar antidepressivos é um compromisso vitalício

É verdade que algumas pessoas com depressão tomam antidepressivos por muitos anos para controlar seus sintomas, mas os médicos raramente prescrevem antidepressivos por toda a vida.

Normalmente, leva de 2 a 4 semanas para que os antidepressivos comecem a funcionar. É importante ressaltar que não é seguro que as pessoas que tomam antidepressivos parem subitamente de tomá-los. Isto é devido ao risco de efeitos colaterais de abstinência associados a certos medicamentos.

A maioria das pessoas faz um plano com seu médico ou profissional de saúde mental para começar a reduzir lentamente sua dosagem. Esse método de redução gradual é prática comum quando os sintomas de uma pessoa são resolvidos.

Geralmente, isso ocorre depois de tomar o medicamento por cerca de 6 a 12 meses.

9. Todo mundo experimenta depressão da mesma maneira

As pessoas costumavam definir depressão com alguns sintomas específicos. Isso incluía um humor deprimido generalizado, sono em excesso e redução do interesse ou prazer nas atividades cotidianas.

No entanto, estudos mostram agora que as pessoas podem experimentar uma ampla gama de sintomas psicológicos, emocionais e físicos durante os episódios depressivos. Isso significa que nem todos com depressão experimentam todos os sintomas associados a ela.

As pessoas também podem experimentar ou expressar depressão de maneira diferente, com base em fatores como idade e sexo.

Isso também pode afetar qual tratamento é a melhor opção. Geralmente, leva um tempo para alguém descobrir qual medicamento ou outras opções de tratamento funcionam melhor para eles.

10. Depressão e tristeza ou autopiedade são a mesma coisa

Algumas pessoas costumavam ver a depressão como um tipo de extrema tristeza ou autopiedade. Este não é o caso.

A depressão é uma condição diagnosticável, não uma emoção ou sentimento específico. Diferentemente da tristeza ou da autopiedade, os episódios depressivos causam sintomas que continuam por pelo menos 2 semanas e podem mudar significativamente a maneira como uma pessoa pensa, sente e age.

11. Manter-se ocupado cura a depressão

Obter a quantidade recomendada de exercícios e passar tempo com a família e os amigos pode ajudar a reduzir alguns dos sintomas da depressão.

No entanto, é um dos mitos sobre depressão que se alguém se dedicar ao trabalho, iniciar um projeto ou encontrar um novo hobby, isso ajudará a aliviar a depressão.

Em vez disso, as pessoas podem querer se concentrar em algumas de suas tarefas regulares durante um episódio depressivo. Eles devem tentar dividir tarefas grandes em tarefas menores e mais fáceis de administrar e evitar fazer muitas coisas ao mesmo tempo.

As pessoas também devem adiar a tomada de decisões ou compromissos importantes durante os episódios depressivos, para que possam fazer escolhas mais claras e objetivas.

12. A depressão se desenvolve em uma certa idade

Muitas pessoas experimentam seu primeiro episódio depressivo na idade adulta, geralmente entre 20 e 30 anos . No entanto, a depressão pode se desenvolver em qualquer idade.

Os pesquisadores agora sabem que mesmo adolescentes e crianças podem experimentar depressão, embora os sintomas possam ser muito diferentes. Nas crianças, por exemplo, a depressão pode se manifestar através de sintomas como irritabilidade e ansiedade severa.

13. Pessoas com depressão sempre parecem tristes ou mostram sintomas óbvios

Muitas pessoas associam depressão à tristeza ou à retraimento. Embora seja verdade que um humor depressivo possa fazer alguém parecer triste, nem todo mundo experimenta depressão da mesma maneira ou mostra os mesmos sinais.

Por exemplo, homens com depressão podem parecer mais zangados ou agressivos do que tristes. Muitas pessoas também tentam esconder ou desacreditar seus sintomas, especialmente os homens. Por outro lado, crianças e adolescentes com depressão podem experimentar ansiedade e irritabilidade severas, em vez de humor reduzido.

14. A depressão é uma parte natural do envelhecimento

Em adultos mais velhos, condições médicas graves, como câncer, doenças cardíacas e doença de Parkinson, podem causar depressão. Alguns medicamentos para problemas graves de saúde também podem causar efeitos colaterais que aumentam o risco de depressão.

No entanto, a depressão não é uma parte natural do envelhecimento. De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), apenas cerca de 1% a 5% dos idosos que vivem fora dos lares e hospitais sofrem de depressão.

Ainda assim, idosos com condições crônicas de saúde ou sinais de depressão devem conversar com seu médico sobre como reduzir o risco de depressão ou tratá-la. Às vezes, os médicos podem perder os sintomas da depressão, confundindo-os com uma resposta natural a doenças graves.

15. Falar sobre depressão piora

Um mito persiste que falar sobre depressão pode piorar, em grande parte por causa do estigma associado às condições de saúde mental. Isso não é verdade. De fato, as pessoas com depressão devem tentar discuti-lo, pois muitas precisarão de uma forma de ajuda externa para começar a se sentir melhor.

Pessoas com depressão podem tentar conversar com alguém em quem confiam, como um amigo sem julgamento, um membro da família ou um profissional de saúde.

Vários tipos de psicoterapia, ou terapia de conversação, também podem ajudar a tratar a depressão, incluindo:

  • terapia cognitiva comportamental
  • terapia de resolução de problemas
  • terapia interpessoal

16. Suplementos de ervas podem ajudar a tratar a depressão

Quando combinado com psicoterapia ou medicação, fazer certas mudanças na dieta pode às vezes reduzir os sintomas da depressão.

Leia Também: Depressão:  O Que é Depressão

Vários fabricantes de suplementos afirmam que seus produtos podem ajudar a tratar a depressão. Poucos deles têm respaldo científico, e alguns deles podem realmente causar sérias condições de saúde, especialmente a erva de São João , que pode causar interações negativas se uma pessoa a misturar com antidepressivos.

Outros suplementos naturais populares não comprovados para depressão incluem:

  • ácidos graxos ômega3
  • S-adenosilmetionina
  • valeriana

Embora alguns estudos sugiram que esses suplementos possam ajudar na depressão, as evidências são inconclusivas. As pessoas que consideram tomar suplementos de ervas devem primeiro conversar com seu médico.

Mitos sobre depressão – Sumário

Apesar de ser uma condição reconhecida muito comum, ainda existem muitos conceitos errôneos e muitos mitos sobre a depressão em torno da depressão.

À medida que os pesquisadores aprendem mais sobre a depressão, e à medida que as percepções sociais, culturais e médicas sobre ela evoluem, esses equívocos estão desaparecendo.

À medida que novas pesquisas continuam destacando o quão complexa, comum e generalizada é a depressão, é provável que até os atuais entendimentos sobre depressão mudem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Enable Notifications.    Ok No thanks